Doenças


Onfalites

Onfalites são as infecções do umbigo, que podem ocorrer na veia umbilical (onfaloflebite), na artéria umbilical (onfaloartrite) e no úraco (uraquite). 

As infecções umbilicais (onfalites) mais frequentes são provocadas por Staphylococcus spp, Streptococcus spp, Arcanobacterium pyogenes, Escherichia coli e outros microrganismos de menor importância. Em decorrência das onfalites podem surgir casos de infecções secundárias nas articulações dos animais (artrite e poliartrite, também conhecidas como “Caroara” e “Mal da Tarde”) e abscessos hepáticos, podendo inclusive levar o animal à morte.

Como consequência da incorreta desinfecção umbilical podem surgir ainda miíases, causadas pela Cochliomyia hominivorax. 

Dentre as espécies animais os bovinos são os mais susceptíveis à infecção umbilical

Como reconhecer

Os sinais clínicos da onfalite são caracterizados pelo aumento de volume do umbigo, dor à palpação e eventualmente secreção purulenta. O sintoma mais comum é a dilatação ou espessamento do cordão umbilical. Em bezerros sadios, a espessura do cordão é mais ou menos a de um lápis comum. Porém, quando há inflamação do umbigo, essa espessura pode tornar-se bem maior. Passando-se a mão pela região, pode-se notar que ele está bem quente. O bezerro fica febril, apático e triste. Na miíase ocorre, além do aumento de volume no local, o sangramento. O bezerro apresenta-se deprimido e afasta-se do rebanho. Quando há o envolvimento das articulações, em função do desenvolvimento de artrite ou poliartrite, os animais apresentam dificuldade na locomoção com claudicação (manqueira). Nos casos em que ocorre somente o desenvolvimento de abscessos hepáticos, somente a necropsia pode revelar a infecção.

Como tratar

Os antimicrobianos de eleição para tratamento das infecções umbilicais e eventualmente artrites são a tetraciclina, as sulfas e a associação penicilina/estreptomicina. Em caso de miíase deve-se realizar a limpeza da bicheira e o uso de matabicheiras no local.

Como prevenir

Realizar a cura correta do umbigo logo após o nascimento do animal, com limpeza e corte do cordão umbilical, seguida da aplicação no seu interior de uma substância cáustica e que, preferencialmente, mumifique o cordão umbilical, como solução de iodo a 5-10% ou ácido pícrico (5%). Após o uso da substância dentro do umbigo, fazer a aplicação externa de repelente com larvicida e a aplicação injetável de endectocida (ivermectina, doramectina) para evitar a formação de miíases (bicheiras). 

Produtos Vinculados: Unguento Vallée, Vallécid Spray.


Veja mais


  • 01
  • | Total: 1 items